sábado, dezembro 09, 2006

A propósito do referendo (1)

Agora que já se conhece a data do referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez é natural que aqui na blogosfera se intensifique o debate (que se espera sério e rigoroso) a propósito da questão que nos é colocada a referendar. Assim, dou início a um conjunto de artigos que amiúde e até 11 de Fevereiro próximo irei escrever sobre o assunto.
Ora, hoje aos folhear o jornal Público analisei com atenção os anúncios publicitários de duas das mais conhecidas clínicas espanholas que praticam o aborto e o que mais me surpreendeu foi a forma despudorada como a sua publicidade é feita: "tratamento voluntário da gravidez" é o que vem referido nos anúncios! Como se a gravidez fosse uma doença e a forma de a tratar (sinónimo de curar) fosse matar um ser inocente!!!
Caso o "sim" ganhe no referendo, estas e muitas outras clínicas virão para Portugal (uma até já tem abertura marcada) à procura de dinheiro fácil, fazendo do aborto indiscriminado até às 10 semanas um negócio chorudo, independentemente de haver ou não razões sérias para praticar esse acto (que apenas deveria ser praticado em casos extremos, por sinal, já contemplados pela lei em vigor).

2 comentários:

daniel tecelão disse...

Se o sim ganhar,e assim o desejo,a grande diferença consistirá no facto de as senhoras já não terem necessidade de ir a Espanha abortar,e as mulheres terão hipótese de deixarem de abortar em vãos de escada,correndo menos riscos de vida.
Quanto ao negócio ele já por cá prolifera e bem!!!

Liar disse...

Estou de acordo Daniel, eu VOTO PELO SIM, e note-se, o referendo não é sobre o aborto, mas sim sobre a despenalização para quem o faça até às dez semanas.

O aborto caberá a mulher, decidir se o fará ou não.
Tenho dito.

Céci