terça-feira, janeiro 15, 2008

Um Portugal roto disfarçado de jeitoso...

O ano 2008 inicia-se sem que se vislumbrem alterações no rumo seguido por Portugal: uma classe média a definhar, uma pobreza a rondar os 20% que persiste, uma classe alta que tende a engordar e um conjunto de problemas estruturais que não melhoram, seja ao nível da ineficácia das nossas políticas de saúde, educação e justiça, seja pela incapacidade da nossa economia e poder de compra quando comparados com a grande maioria dos restantes países da UE.
Na verdade, apenas uma minoria dos portugueses se revê naquilo que passamos para o exterior! O que por cá se passa nada tem que ver com o nível de vida dos nossos parceiros europeus. Por cá impera uma Educação de rastos, envolta num sucesso escolar irrealista, uma Saúde onde as listas de espera perduram, uma Justiça lenta e vergonhosa (o novo Código de Processo Penal é simplesmente uma afronta à dignidade humana), um Ambiente e uma Cultura desprezados...
Enfim, parece-me que tendemos para o abismo. E, se nada for feito, a partir de 2013 é que vão ser elas. Com o fim dos dinheiros de Bruxelas as dificuldades irão aumentar. Há que mudar de rumo!!!

1 comentário:

Jo disse...

Eu diria que somos um país de Opereta, mas nós todos temos muita culpa no cartório, porque eles estão lá porque são eleitos por nós. Não há meio de aprendermos. Abraço