segunda-feira, julho 05, 2010

A propósito da futura extinta SCUT da A25

Resido em Viseu, cidade que se localiza entre Aveiro e Vilar Formoso, o principal eixo rodoviário de ligação de Portugal a Espanha. Nos anos 80, com dinheiros vindos de Bruxelas, o Governo de Cavaco Silva mandou construir a IP5. Esta rodovia com perfil de auto-estrada em alguns troços dos mais de de 200 Kms que ligavam o litoral a Espanha foi de extrema importância para o aumento das exportações portuguesas para o centro da Europa. Foi também apelida de estrada da morte, pelo facto de não haver uma semana sem acidentes trágicos.
Passados mais de 20 anos, o Governo PS lembrou-se de inventar as parcerias público-privadas na construção e manutenção de estradas. Então fez uma concessão a um grupo privado para a construção da A25 em cima do IP5, com a condição de não haver portagens para os utilizadores. Feitos troca-tintas, há agora (ou daqui a uns tempos) a hipótese de colocar portagens na A25.
Ou seja, se antes tinhamos o IP5 onde, sendo ou não perigosa em função da condução de cada um, não se pagava, agora já não temos o IP5 e somos obrigados a recorrer à A25 onde futuramente se irá pagar.
Conclusão: mas valia continuarmos a ter o IP5. Podíamos demorar mais tempo nas viagens, mas também não eramos obrigados a pagar portagens. Com este Gverno PS, futuramenta teremos duas opções: ou pagamos se quisermos circular na A25 ou teremos que recorrer à EN16, uma estrada às curvas sem as mínimas condições de circulação.
Só espero que não façam o mesmo com o IP3. Se é para construírem a nova auto-estrada Viseu-Coimbra por cima do IP3 e obrigarem-nos a pagar portagens, não gastem mais dinheiro em auto-estradas e deixem-nos ficar com o IP3...

2 comentários:

Caia disse...

Em Portugal têm este dom, de atirar areia para a cara dos cidadãos!

Anónimo disse...

VOLTA SALAZAR



VIVA SALAZAR