quinta-feira, novembro 23, 2006

O bom exemplo que vem de França...

Entre os 191 países membros das Nações Unidas, apenas em sete as mulheres ocupam o cargo político mais elevado de Chefe de Estado. O caso mais conhecido dos últimos anos foi o de Mary Robinson, ex-chefe de Estado da República da Irlanda e que teve um papel decisivo na forma como este país se conseguiu impor em termos de crescimento económico e de desenvolvimento humano à escala mundial. Todos nós nos lembramos de quando na década de 80 ainda nos orgulhávamos de Portugal estar à frente da Irlanda no seio dos países da União Europeia. Agora, já nem vemos os nossos congéneres irlandeses, tal foi o ritmo a que a sua economia prosperou...
Agora parece que é a França que tem fortes probabilidades de vir a ter uma mulher como chefe de Estado, o que configura uma situação inédita num país que, muitas vezes, é conotado com algum sentimento machista e discriminatório em relação às mulheres.
Ora, a história parece demonstrar que a política "feita" só por homens não tem o mesmo "sabor" e não dá os mesmos frutos de quando é realizada também pelas mulheres. Infelizmente em Portugal a realidade é a que sabemos, com uma política cinzenta do género "vira o disco e toca o mesmo" e com a inclusão intermitente de mulheres que não têm dado provas de trazer uma lufada de ar fresco à acção política portuguesa. Basta recordarmos as antigas Ministras Manuela Ferreira Leite e Manuela Arcanjo ou as actuais Ministras da Educação e da Cultura para percebermos que em nada se comparam à nova esperança da política francesa: Ségolène Royal, mãe de quatro crianças, várias vezes ministra, actual presidente da região Poitou-Charentes e candidata à Presidência da República Francesa.
Claro que não sou apologista da estratégia das quotas para a entrada de mulheres na política portuguesa, mas que bom que seria se, também por cá, e como acontece agora com a França e com os EUA (lembremo-nos de Hilary Clinton) tivéssemos mulheres capazes de enfrentar o cinzentismo em que se encontra envolta a nossa classe política...

3 comentários:

daniel tecelão disse...

A politica feita por mulheres,é exctamente igual à que é feita por homens,há-os mais ou menos competentes e criativos,nunca me esquecerei de Leonor Beleza nem Fátima Felgueiras!!!

Maria disse...

Bem... há mulheres... e mulheres...
Nem todas são iguais...
Mas... era bom que em Portugal se desse uma "atmosfera nova" dentro da politíca e temos mulheres a essa altura...
Entretanto... vamos vendo o exemplo em outras nações...

Willespie disse...

Eu estranho o facto de estares a lisonjear a França sendo este um país que despenalizou o aborto há quase 40 anos. Ou nas suas palavras faz "apologia da morte" há 40 anos. Eu mantenho que não é possível ter um pão só com miolo e sem a crosta. Ou se tem uma sociedade moderna ou não se tem. Eu voto sim. Já chega de estigmatizar as mulheres. Só despenalizando é que podemos diminuir o número de abortos e as suas causas. A França conseguiu isso mesmo.