quinta-feira, abril 25, 2013

No 25 de Abril, o puxão de orelhas que o PS já há muito merecia...

Finalmente, Cavaco Silva resolveu dar o puxão de orelhas que o PS merecia. Há muito tempo que os socialistas falam como se tivessem o rei na barriga, exigindo as eleições antecipadas que lhes dariam, de mão beijada, o regresso à governação do país. Como se o PS não tivesse nada que ver com as razões que nos levaram a pedir ajuda financeira externa...
É preciso descaramento! Do BE e PCP não se esperava outra coisa que não fosse a "cassete maldizente" do costume, mas do PS exigia-se um pouco mais de recato e contenção nas palavras e acções. E o que vemos? Vemos um PS todo engalanado em inocente, esperando que as eleições antecipadas surjam depressa para simplesmente voltar ao poder, não por apresentar alternativas credíveis de governação, mas apenas por insatisfação dos portugueses pelo actual estado de coisas.
Felizmente que Cavaco Silva foi directo: ninguém deve explorar politicamente a ansiedade e a inquietação do povo. E é isso que os socialistas têm feito. António José Seguro deveria comportar-se de outra forma e perceber que o actual estado de coisas em Portugal é demasiado frágil para nos podermos dar ao luxo de andar em "guerrilhas" sem sentido, à procura do caminho mais fácil para chegar ao poder.
Ainda só passaram dois anos desde que a situação de bancarrota foi evitada em Portugal à custa da intervenção externa. Desde aí, os sacrifícios chegaram, inevitavelmente, a cada um de nós e seria bom que os portugueses se convencessem (sobretudo os mais distraídos, que são muitos!) que os tempos difíceis ainda vão perdurar durante muitos anos.
O 25 de Abril de 1974 teve, na acção do MFA, três objectivos principais: a descolonização, a democracia e o desenvolvimento. A descolonização, apesar dos erros cometidos, foi feita; a democracia, apesar das suas imperfeições e de ser o menos mau dos regimes políticos, é uma evidência; o desenvolvimento, apesar das desigualdades ainda existentes, é um dado adquirido. A liberdade, principal conquista do 25 de Abril, é total e só peca, muitas vezes, por ser confundida com libertinagem.
Passados 39 anos vivemos melhor, mas os tempos são difíceis porque nos últimos 15 anos desbaratou-se muito daquilo que foi conquistado. A política do fazer obra sem ter dinheiro deu no que deu. Agora, é tempo de contenção e essa contenção é inevitável. 
Entretanto, há quem prefira viver na utopia. É bom que se caia na realidade...

4 comentários:

Francisco Santos disse...

Foi um belo discurso, foi! Nem os cravos, que são vegetais, e já estavam cortados, aguentaram.

daniel tecelao disse...

Este pulha,chefe da mafia laranja,ontem retratou/se,e so presidente dos cidadaos de direita.

Anónimo disse...

«A política do fazer obra sem ter dinheiro deu no que deu. Agora, é tempo de contenção e essa contenção é inevitável.»

Este relambório bem podia ser do cavaco silva!
Falando pela experiência de quem iniciou esta tal ''coisa'' do fazer obra sem ter dinheiro...

É a opinião de um indivíduo que vale aquilo que vale, em minha opinião um 0 bem redondo!

Hordy Narão

Anónimo disse...

Já agora,

o 25 de Abril foi uma merda que nem devia ter acontecido! Quem vê as coisas e pensa nelas não tem dificuldade em entender isto!

Lembrem-se do que foi aquilo! Dos loucos de pseudo-esquerda em caça às bruxas (por bruxas, entenda-se todos os que tivessem algum, pouco ou muito, valor patrimonial); da destruição de empresas; da constituição de cooperativas que (por incompetência asnática natural dos seus cabecilhas) faliam quase de seguida;...

Mas...

... isto era o que viamos!

As mesmas condições que levaram ao acontecimento desta «efemérdire», acabaram com ela a 25 de Novembro do ano seguinte... e... se conseguir-mos ver mais além...

... essas condições em nada foram de idealização nacional!...


Hordy Narão