terça-feira, julho 18, 2006

Tipicamente português...

Ao chegar a casa estoirado depois de um dia cansativo e deveras agitado, apenas tive tempo de dar uma beijoca na Dianinha que já dormia profundamente e conversar um pouco com a Salete, dado que hoje teria que me levantar às 7 horas para ir trabalhar para a escola.
Poucos minutos depois de nos termos deitado (deviam ser 1.30H da manhã) ouvimos um estrondo enorme vindo da rua e logo nos pareceu que tinha ocorrido um acidente rodoviário. Levantámo-nos e fomos à varanda: um automóvel tinha-se enfaixado na traseira de um camião TIR de forma abrupta! Não mais de cinco minutos depois apareceram logo a polícia, bombeiros e ambulâncias e a confusão instalou-se. Eu fui deitar-me novamente, enquanto que a Salete ainda ficou um pouco mais na varanda a assistir à situação. Foi então que ela me disse que estavam a dirigir-se para junto do acidente dezenas de pessoas em calções e camisas de dormir dos prédios à volta, como se estivessem a dar dinheiro para os primeiros que chegassem ao local. Ela deitou-se e com o barulho enorme que vinha da rua ficámos um pouco a conversar sobre a situação a que tinhamos assistido, analisando a forma como a curiosidade e a ânsia de assistir à desgraça alheia parecem ser características bem típicas do povo português!!! Infelizmente...

10 comentários:

Fernanda disse...

Pedro
Na verdade é típico do "povinho"
português "bisbilhotar" tudo e
sempre pela curiosidade e nada
mais.
Imagino a "barafunda" que deve
ter sido!!

Fica bem. Beijinhos

Anónimo disse...

Pedro, de facto é típico do português, ver, "dar fé" como dizia o teu avô; mas mais nada. Infelizmente é assim. Se fosse para ajudar, desaparecia tudo. É pena.
Tia Maria do Céu

contradicoes disse...

Isso é típico em qualquer sítio deste País. Na zona onde vivo em Oeiras felizmente últimamente não se têm registados acidentes e sobretudo atropelamentos alguns dos quais mortais.
Nem lhe digo nem lhe conto meu caro amigo. O ajuntamento de pessoas é tão significativo que chega a parecer que estamos perante um qualquer espectáculo.

IsaMar disse...

É o típico Zé Povinho.
Gosta sempre da confusão....para depois comentar, dar largas à imaginação....

fica bem

Zé Augusto disse...

Pois é verdade. qualquer coisa serve para que apareçam logo sabichões a dar palpites de como aconteceu, o que esteve na origem, quem teve culpa, etc. São os treinadores de bancada numa das suas multifacetadas vertentes.
Esperemos não os voltar a ver de forma frequente (estou a lembrar-me por exemplo dos incêndios...)

lune disse...

Também sempre questionei essas pessoas que saiem sempre do nada, vermes da desgraça, e muitas vezes por causa dessas reacções se sucedem acidentes em cadeia, enfim...
Beijos
Jaci

Afeiticeira disse...

Concordo contigo.Infelizmente a maioria das pessoas sente uma necessidade mórbida de assistir à desgraça dos outros.
Essa é apenas uma maneira que esta gente tem de manifestar essa tendencia que tb me custa a compreender.Será que já nao chega aquilo a que todos os dias assistimos na televisão, rádio, jornais? Ainda é preciso dar de caras com o sogrimento alheio, quando ele se passa perto de nós? Podendo ajudar tudo bem...mas nao podendo...vamos fazer o quê? atrapalhar???

É curioso disse...

Com algum cinismo; é uma forma barata de entretém que muitas vezes se torna cara quando embatem no carro da frente que abrandou para desfrutar do espectáculo do acidente na outra faixa de rodagem.

É curioso disse...

Bom fim-de-semana.

Anónimo disse...

Best regards from NY! » » »