domingo, outubro 16, 2005

Ai Portugal, Portugal...

E, isto porquê? Apenas porque vivemos num País em que meio "mundo" tenta enganar o outro meio "mundo". Pego no jornal e leio a letras garrafais: "Laboratórios farmacêuticos condenados por cartelização". Miséria! É uma vergonha termos um País onde empresas que fabricam medicamentos essenciais a milhares de portugueses se organizam e combinam preços para aumentarem os seus lucros, já de si enormes, à custa dos contribuintes e dos doentes. E qual é o resultado da condenação? Uma multa pecuniária, sem haver lugar a um processo-crime...
Mas, há mais! No país da UE onde há mais desigualdade entre ricos e pobres, pode-se ler no jornal que, em menos de um ano, já quase cem mil pessoas desempregadas recusaram um trabalho oferecido pelos Centros de Emprego do IEFP. Mas, afinal para onde vamos? Damo-nos ao "luxo" de termos desempregados a rejeitarem empregos. E, depois, ainda há quem culpe os imigrantes da crise que grassa pelo País. Mas, claro, crise só para alguns...
O mínimo que se pode dizer é que não podemos deixar de nos sentir indignados e inconformados quando notícias deste género se multiplicam a olhos vistos, num País onde alguns dos valores básicos pelos quais se deve reger uma sociedade equilibrada e decente começam a definhar...

6 comentários:

daniel tecelão disse...

Oxalá nunca fique desempregado,porque senão certamente o veriamos a recusar empregos!!!

Paula disse...

Oh, meu querido Pedro...
Infelizmente, essa é uma realidade que TODOS VÊEM, menos os que não querem ver...
Eu trabalho na área de RH, e é muito triste e ´revoltante, termos ofertas de trabalho e as pessoas chegarem ao pé de nós com respostas do tio: "Eu agora estou de férias,´não posso aceitar", ou "Aiii, desculpem, mas eu estou a receber mais do subsidio de desemprego, prefiro ficar em casa!".. Temos milhares de portugueses a ganhar 1000 € e mais, sem fazerem nada, à custa dosnossos impostos, e dizem-nos descaradamente na cara estas coisas, com amaior das naturalidades. Eu chamo a isto cegueira! Mas culpo o nosso desgovernado Governo! Quando a atribuição de subsídios começar a ser justa....o desemprego cai em flecha e a produtividade aumenta!!! Agora...vá lá convencer os que estão no planeta da política, desta realidade cá em baixo, no mundo real do trabalho!
Enfim, Pedro... graças a Deus, ainda se vão encontrando pessoas íntegras nos Centros de Emprego que não são cúmplices desta verdadeira aberração! E também ainda temos portugueses dignos e com vontade de trabalhar e produzir!Bem haja!
Só é mais lamentável ser um Absurdo à vista de toda a gente...e não se fazer rigorosamente nada, a não ser tapar o sol com a peneira!
Um abraço para ti, fofo.
Foi bom voltar a ler-te.
Força e boa semana pra ti, lindo.

AnaCristina disse...

Em oito anos de ensino, só fiquei desempregada 15 dias. E nesses 15 dias fui secretária e conduzi uma ambulância. Nunca tive peneiras. Mas há por aí muita boa gente que não se quer mexer!
Sentado, ninguém consegue nada de jeito.

Mendonça disse...

Pedro,
Então qualquer dia vai concordar comigo quando defendo uma reestruturação profunda do nosso modelo de Estado social, certo?

Isabel disse...

Olá mais uma vez...

Nesta sociedade há de tudo...

Há muita gente que está muito mal acostumada. Querem é trabalhar pouco e ganhar bem... Por isso rejeitam muitos empregos...(aliás...eles não querem um trabalho!!!...querem sim um emprego)

É a nossa sociedade....DO FACILITALISMO...DO SHOW OFF...

O GOVERNO tem a sua cota parte mas a sociedade tb não vai lá muito bem...sejamos sinceros.

Patrícia disse...

Neste país, quem acaba por sofrer as consequências são sempre os das classes sociais médias e baixas. As grandes empresas não pretendem ajudar os que mais precisam, mas sim, aumentarem os seus rendimentos à custa dos mesmos.
Ganhar dinheiro da forma mais fácil é o que a maior parte da população tem em vista. Conheço pessoas que estão a receber o subsídio de desemprego e fazem por fora outros trabalhos que lhes permitem ganhar mais um extra, o que considero injusto. É claro, que estas pessoas não querem sair do desemprego e, por isso, muitas delas até rejeitam trabalhos muito acessíveis. No meu entender esta lei devia ser alterada, pois o Estado perde muito com situações idênticas a esta.
Vou dar outro exemplo de uma senhora que conheço, que já se encontra há muito tempo no desemprego e tem rejeitado muitos trabalhos. Apesar de não ter o ensino secundário, diz que não se sujeita a qualquer trabalho, quer sim um emprego. Como esta existem, infelizmente, muitos, o que é muito triste.
Boa semana! Bjs