domingo, julho 13, 2008

O verdadeiro Estado da Nação...

Cada um de nós consegue percepcionar, no seu dia-a-dia e na relação com os outros, o estado socio-económico do país. Podemos ainda recorrer às estatísticas para percebermos até que ponto Portugal, no contexto europeu e mundial, está no bom ou mau caminho.
Por outro lado, há que saber distinguir estado da governação de estado da Nação, apesar de, muitas vezes, estas duas avaliações estarem muito próximas uma da outra.
Desde os tempos do Governo de Guterres que se apostou numa política social de "financiamento" da pobreza instalada, com a concessão indiscriminada de subsídios, rendimentos mínimos e abonos aos que declaram baixos rendimentos, tendo-se ignorado a diminuição constante do poder de compra da classe média, nomeadamente dos funcionários públicos. Agora temos os resultados dessa política: os pobres de há dez anos continuam pobres e a classe média empobreceu. O endividamento das famílias aumenta. O desemprego aumenta. A emigração aumenta. A insegurança aumenta. Enfim, o país está sem um rumo definido, dependente dos ventos que soprem de Bruxelas...

3 comentários:

Shakti disse...

Depende dos ventos que soprem por Bruxelas....nem daí estou a ver melhorias sinceramente ...
Quando vi a manchete no jornal apenas me veio à cabeça...olha descobriram aquilo que a maioria dos portugueses sabem desde a entrada do Euro...mas enfim , o nosso engenheiro Sócrates diz que está tudo bem....

Bjs

Andreia do Flautim disse...

Ai que isto está tão mal.

Anónimo disse...

Quem se lembra do menino-herói?
Estávamos bem melhor, não estavámos?
Cambada de putos liberais e individualistas e ainda por cima atrasados mentais.