domingo, março 21, 2004

Como combater a pobreza...

A pobreza, em qualquer país do mundo, não é de fácil resolução. Contudo, quanto mais desenvolvido for o país, melhores meios haverá, em princípio, que permitam reduzir os casos de pobreza. Um país rico, não significa que tenha o mesmo nível de desenvolvimento. Atente-se por exemplo aos EUA, que apesar de serem o país mais rico do mundo, ficam atrás dos países nórdicos da Europa, em termos de desenvolvimento humano. Mas, mesmo os países mais desenvolvidos do mundo apresentam situações de pobreza, não tão graves como as existentes em Portugal, mas com dimensão considerável.
Ora, vem tudo isto a propósito dos resultados de um estudo levado a cabo por alguns investigadores portugueses, segundo o qual a pobreza em Portugal atinge, pelo menos 200 000 indivíduos. A verdade é que, apesar da melhoria geral das condições de vida dos portugueses, desde a entrada de Portugal na CEE, muito há ainda por fazer nesta problemática.
Ao contrário do que a esquerda pensa, acho que a pobreza não se combate com a política da subsídio-dependência, mas sim com uma política socio-económica sustentável, que permita o fortalecimento de uma classe média auto-suficiente, que liberte o Estado para a incumbência de tratar os casos mais extremos, relacionados com o alcoolismo, a toxicodependência ou outros comportamentos desviantes.
Ora, em relação à pobreza "escondida" existente, sobretudo, nos meios rurais e, na maior parte das vezes, relacionada com a falta de instrução da população residente, penso que este flagelo deverá ser combatido através de uma aposta clara na educação e no fortalecimento das cidades de média dimensão, capazes de servir de "escape" à mão-de-obra disponível no meio rural. Quero com isto dizer que, só tomando políticas de desenvolvimento do interior português e das cidades de média dimensão, como Viseu, Vila Real, Portalegre, Beja e outras é que se poderá diminuir a pobreza ligada à população que depende da agricultura de auto-subsistência e à população que, sem estudos, tem de emigrar ou "refugiar-se" em situações desviantes e de subsídio-dependência...
Claro que os partidos de esquerda têm dificuldade em perceber este ponto de vista e preferem apontar culpas, em vez de estudar soluções... Mas, muito mais haveria que dizer sobre este assunto de tão difícil resolução.

5 comentários:

Anónimo disse...

oh seus filhos da puta, este site e' uma merdaaaaaaaaaaa e nao vale um cuuu!!!!

E já agora de prenda de natal um peidinho po sapatinho!!!!!

looool!!!

nao kerendo ser xato um abraço pa voxes

gabriela disse...

site muito interesante ,eu acho bem legal tentar melhorar o mundo!

parabens!
adorei!!!!

karolina disse...

eu gostei muito achei muito importante

Anónimo disse...

muito boa reflexao sobre o nosso pais,se houvesse mais ideias assim nao estavamos como estamos

fernando sevzatian disse...

Parabéns pelo artigo. Não são todos que se preocupam com a pobreza, e há países muito desenvolvidos, como voce sitou no texto, que são economicamente desenvolvidos e não tem o IDH elevado.